Pinus pinaster Aiton

Espécie
Pinus pinaster
Descritor
Aiton
Género
Família
Ordem
Sub-classe
Pinidae
Classe
Pinatae
Sub-divisão
Coniferophytina
Divisão
Spermatophyta
Tipo Fisionómico
Megafanerófito
Distribuição Geral
W Região Mediterrânica e zonas Atlânticas do S Europa
Nome(s) comum
Pinheiro-bravo
Pinheiro-das-landes
Pinheiro-marítimo
Habitat/Ecologia
Matos
Matagais
Terrenos incultos
Sinonimias
Pinus maritima L.
Pinus pinaster Aiton subsp. atlantica E. H. del Villar, nom. illeg.
Pinus pinaster Aiton subsp. hamiltonii (Ten.) E. H. del Villar
Época Floração
Março - Março
No JBUTAD
Sim - C2
Colecção temática
Não pertence a nenhuma colecção.

Galeria de imagens

Fotografia de capa Pinus pinaster - do Jardim Botânico
Fotografia 1 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 2 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 3 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 4 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 5 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 6 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 7 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 8 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 9 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 10 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 11 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 12 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 13 da espécie Pinus pinaster do Jardim Botânico UTAD

Distribuição em Portugal

 

Noroeste ocidental
Noroeste montanhoso
Nordeste ultrabásico
Nordeste leonês
Terra quente
Terra fria
Centro-norte
Centro-oeste calcário
Centro-oeste arenoso
Centro-oeste olissiponense
Centro-oeste cintrano
Centro-leste motanhoso
Centro-leste de campina
Centro-sul miocénico
Centro-sul arrabidense
Centro-sul plistocénico
Sudeste setentrional
Sudeste meridional
Sudoeste setentrional
Sudoeste meridional
Sudoeste montanhoso
Barrocal algarvio
Barlavento
Sotavento
Berlengas


Vídeos

Espécie de interesse florestal

Informação cedida por

Distribuição geral: A área natural do pinheiro- bravo expande-se pelo Mediterrâneo Ocidental.

Caracterização geral: É uma espécie suscetível aos frios intensos prolongados e à neve. Os melhores povoamentos encontram-se até 400 metros de altitude. Acima dos 800 metros, apresenta copas deformadas ou mesmo partidas, com fraco desenvolvimento, devido ao vento e à neve. É uma espécie intolerante ao ensombramento (espécie heliófila), admitindo-o, excecionalmente, nos primeiros meses após a germinação. Resiste a solos pobres de texturas ligeiras, com preferência pelos siliciosos. Tolera com dificuldade o encharcamento permanente e as texturas pesadas. O pinheiro-bravo regenera com grande facilidade por semente, podendo tirar-se partido dos sementões em cortes finais. É uma árvore que nas melhores estações pode alcançar os 30 metros de altura. A longevidade é de 200 anos idade, contudo, raramente ultrapassa os 80 a 100 anos. O pinheiro-bravo encontra-se em povoamentos puros ou mistos, sendo mais frequentes os mistos de pinheiro-bravo com eucalipto e de pinheiro-bravo com outras folhosas. Embora possua uma grande área de povoamentos puros na Região Centro de Portugal. Não obstante, a pouca informação existente, os povoamentos mistos destacam-se devido ao seu grande interesse numa silvicultura preventiva de fogos florestais (segundo alguns autores franceses, esta espécie está classificada quanto à inflamabilidade, no grau 3, numa escala de 1 a 4 e em relação à combustibilidade, no grau 7, numa escala de 1 a 9). No pinhal privado português, as revoluções mais frequentes variam entre os 30 a 35 anos ou 60 a 70 anos em Leiria. Esta espécie é em Portugal atualmente muito afetada por uma doença grave, Doença da murchidão do pinheiro, provocada pelo Nemátode-da-madeira-do pinheiro, Bursaphelenchus xylophilus. Este organismo é classificado de quarentena pela legislação comunitária, o que significa que os estados membros que sejam afetados são obrigados a adotar medidas específicas para o seu controlo e erradicação, existindo Legislação para as mesmas (D. L. n.º 95/2011, de 8 de Agosto).

Propriedades e utilizações: A madeira do pinheiro-bravo é de serração fácil. O desenrolamento e corte plano são de boa qualidade em toros isentos de nós grandes. A secagem é fácil e rápida. A madeira regista uma alta sensibilidade ao azulamento. Consegue-se uma impregnação completa do borne com todos os processos e produtos. A densidade média da madeira é de 565 kg/m3 a 12% de humidade. Dos objetivos da silvicultura do pinheiro-bravo, destacam-se a produção de lenho destinada à indústria, a casca como substrato de enchimento em viveiros e a produção de resina. O lenho utiliza-se em carpintaria de interior, caixilharias, mobiliário, indústria fosforeira, embalagens, aglomerados, celulose (pasta de papel), etc.

Faça download desta ficha em PDF

Ficha técnica da espécie
Pinus pinaster

Partilhe esta página

Poderá estar também interessado em

Pinus canariensisPinus canariensis
(mesmo género)

Pinus halepensisPinus halepensis
(mesmo género)

Pinus heldreichiiPinus heldreichii
(mesmo género)

Pinus mugoPinus mugo
(mesmo género)

Pinus nigraPinus nigra
(mesmo género)

Pinus pineaPinus pinea
(mesmo género)

Pinus radiataPinus radiata
(mesmo género)

Pinus strobusPinus strobus
(mesmo género)

Utilização das Imagens

Todas as fotografias do Jardim Botânico UTAD são publicadas sob uma licença CC BY-NC 4.0. Pode utiliza-las livremente, para fins não-comerciais, desde que credite o Jardim Botânico e o autor específico da fotografia caso exista. Para uso comercial ou utilização de alguma fotografia sem marca d'água queira entrar em contacto. Pode ver aqui todas as imagens da espécie Pinus pinaster.

Comentários