Alnus glutinosa (L.) Gaertn.

Espécie
Alnus glutinosa
Descritor
(L.) Gaertn.
Género
Família
Ordem
Sub-classe
Hamamelididae
Classe
Magnoliopsida
Sub-divisão
Magnoliophytina (Angiospermae)
Divisão
Spermatophyta
Tipo Fisionómico
Mesofanerófito
Distribuição Geral
Grande parte Europa, Ásia e NW África
Nome(s) comum
Amieiro
Amieiro-comum
Amieiro-vulgar
Habitat/Ecologia
Ripícola
Sinonimias
Não tem
Época Floração
Fevereiro - Março
No JBUTAD
Sim - C4
Colecção temática
Não pertence a nenhuma colecção.

Perfil farmacológico

  • PT Adstringente, Catártico, Febrífugo e Tónico (casca). 43
  • PT Adstringente, Catártico, Febrífugo e Tónico (casca). 49
  • PT Adstringente, Catártico, Febrífugo e Tónico (casca). 50
  • PT Adstringente, Catártico, Febrífugo e Tónico (casca). 51
  • PT Adstringente, Catártico, Febrífugo e Tónico (casca). 54
  • PT Adstringente, Catártico, Febrífugo e Tónico (casca). 101
  • PT Antissético e Anti-inflamatório da boca e garganta (decocção da casca). 29
  • PT Antissético e Anti-inflamatório da boca e garganta (decocção da casca). 43
  • PT Antissético e Anti-inflamatório da boca e garganta (decocção da casca). 49
  • PT Antissético e Anti-inflamatório da boca e garganta (decocção da casca). 50
  • PT Adstringente e Tónico interno (folhas e casca pulverizada), Hemostático interno e externo (casca). 43
  • PT Tratamento capilar para piolhos, sarna, feridas da pele e boca (casca seca dos ramos jovens fervida em vinagre). 43
  • PT Adstringentes, Galactogogas e Vermífugas (folhas). 27
  • IF Pode interferir com medicamentos com ação similar ou bloquear a ação farmacológica.

Galeria de imagens

Fotografia de capa Alnus glutinosa - do Jardim Botânico
Fotografia 1 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 2 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 3 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 4 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 5 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 6 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 7 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 8 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 9 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 10 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 11 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 12 da espécie Alnus glutinosa do Jardim Botânico UTAD

Distribuição em Portugal

 

Noroeste ocidental
Noroeste montanhoso
Nordeste ultrabásico
Nordeste leonês
Terra quente
Terra fria
Centro-norte
Centro-oeste calcário
Centro-oeste arenoso
Centro-oeste olissiponense
Centro-oeste cintrano
Centro-leste motanhoso
Centro-leste de campina
Centro-sul miocénico
Centro-sul arrabidense
Centro-sul plistocénico
Sudeste setentrional
Sudeste meridional
Sudoeste setentrional
Sudoeste meridional
Sudoeste montanhoso
Barrocal algarvio
Barlavento
Sotavento
Berlengas

Espécie de interesse florestal

Informação cedida por

Distribuição geral: É uma espécie comum em toda a Europa, até 1200 m, essencialmente na bordadura dos cursos de água, pântanos, charcos, pastagens e nas florestas húmidas (ou bosquetes) onde não é muito frequente, surgindo neste caso em consociação com outras espécies.

Caracterização geral: É uma espécie bastante plástica quanto às condições climáticas desde que as suas raízes estejam em contacto quase permanente com um lençol de água superficial ou pouco profundo do qual necessita para sobreviver. Resulta daí ser inadequada para áreas em que o nível freático desça muito no Verão, nomeadamente em zonas com um relativo distanciamento à bordadura do leito dos rios ou de terrenos húmidos. A sua presença natural reduz-se em geral a bandas estritas que são indicadoras dessas condições. É uma espécie de luz e de temperamento robusto, a qual se desenvolve vigorosamente na idade juvenil, quando liberta de competição. Desenvolve-se bem em climas de tipo temperado-quente ou temperado-frio, tolerando frios invernais de certa intensidade, mas não geadas tardias primaveris. É muito exigente em água ao nível edáfico. É considerada uma espécie indiferente quanto à natureza do substrato, muito embora apresente alguma preferência pelos solos de natureza siliciosa. Suporta, nomeadamente, os solos argilosos e pesados e, por conseguinte, o encharcamento sazonal. Tem preferência por solos um pouco ácidos em detrimento dos calcários, revelando no entanto plasticidade, desde que haja disponibilidade de água no solo nas condições supramencionadas. É uma espécie que fixa o azoto atmosférico mediante as simbioses que as suas raízes desencadeiam com bactérias. Deste modo, enriquece o solo em nutrientes e cria condições para que outras espécies de interesse silvícola possam ser exploradas com maior possibilidade de êxito produtivo. Resulta ser uma espécie pioneira e consolidadora. Apresenta uma boa capacidade de regeneração tanto por semente como por rebentamento de cepa, mas não rebenta de raiz. Frutifica a partir dos 20 30 anos, quase sempre anualmente, com dispersão seminal anemófila e através da água. Pode alcançar alturas de 25 m. Apresenta uma copa regular densa e arredondada na idade adulta. Possui muito boa dominância apical e o fuste cresce com boa conformação cilíndrica. A poda natural é excelente. O sistema radicular é superficial e bem desenvolvido. O crescimento é de médio a rápido. É uma espécie pouco longeva, podendo alcançar 100-120 anos. Encontramo la na Europa quer em povoamentos puros, quer em povoamentos mistos, onde coabita com o Ulmus minor Miller, (de quando em vez o Ulmus effusa Willd.), o freixo, o Quercus robur L. e por vezes o Prunus padus L. Dado o relevante papel protetor dos amieiros, os cortes deverão ser moderados, de forma a que se não criem clareiras de dimensão excessiva ao longo dos cursos de água.

Propriedades e utilizações: O amieiro possui uma madeira homogénea e de cor esbranquiçada, tornando se avermelhada ao corte. Não resiste à intempérie, mas é muito durável em submersão. Possui dureza e grão variáveis mas fibra reta e homogénea. É bastante ligeira, apresentando uma densidade seca ao ar de uns 580 kg/m3. É fácil de trabalhar, desidrata com facilidade e admite tratamentos superficiais, o que a torna adequada para imitar madeiras de qualidade superior (ébano, acaju, nogueira ou cerejeira). A madeira emprega se para a obtenção de folheado e pranchas para móveis, (se bem que não abundem árvores de grandes diâmetros), tornearia, instrumentos musicais, réguas de desenho etc. A lenha é medíocre. O amieiro é uma interessante espécie produtiva e protetora de ribeiras e rios pelo que, interessará sempre favorecê-lo mediante plantações ou tratamentos nos bosquetes em que surge. Vegeta perfeitamente em estações de solo muito húmido e ácido, que não convêm em absoluto a espécies tais como o choupo que nestas condições sofreria de asfixia radicular e em estações em que a única alternativa de plantação é a bétula.

Faça download desta ficha em PDF

Ficha técnica da espécie
Alnus glutinosa

Partilhe esta página

Poderá estar também interessado em

Alnus cordataAlnus cordata
(mesmo género)

Betula albaBetula alba
(mesma família)

Carpinus betulusCarpinus betulus
(mesma família)

Corylus avellanaCorylus avellana
(mesma família)

Utilização das Imagens

Todas as fotografias do Jardim Botânico UTAD são publicadas sob uma licença CC BY-NC 4.0. Pode utiliza-las livremente, para fins não-comerciais, desde que credite o Jardim Botânico e o autor específico da fotografia caso exista. Para uso comercial ou utilização de alguma fotografia sem marca d'água queira entrar em contacto. Pode ver aqui todas as imagens da espécie Alnus glutinosa.

Comentários