Acer pseudoplatanus L.

Espécie
Acer pseudoplatanus
Descritor
L.
Género
Família
Ordem
Sub-classe
Rosidae
Classe
Magnoliopsida
Sub-divisão
Magnoliophytina (Angiospermae)
Divisão
Spermatophyta
Tipo Fisionómico
Mesofanerófito
Distribuição Geral
C e S Europa; subespontâneo em Portugal
Nome(s) comum
Bordo
Falso-plátano
Padreiro
Plátano-bastardo
Zêlha
Habitat/Ecologia
Matos
Ruderal
Sinonimias
Não tem
Época Floração
Março - Abril
No JBUTAD
Sim - A1 H1
Colecção temática
Não pertence a nenhuma colecção.

Perfil farmacológico

  • PT Adstringente e anti-inflamatório para dele e olhos (seiva doce da casca). 43
  • PT Larvicida para o mosquito Culex quinquefasciatus após 24h de exposição. 41

Galeria de imagens

Fotografia de capa Acer pseudoplatanus - do Jardim Botânico
Fotografia 1 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 2 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 3 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 4 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 5 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 6 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 7 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 8 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 9 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 10 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD
Fotografia 11 da espécie Acer pseudoplatanus do Jardim Botânico UTAD

Distribuição em Portugal

 

Noroeste ocidental
Noroeste montanhoso
Nordeste ultrabásico
Nordeste leonês
Terra quente
Terra fria
Centro-norte
Centro-oeste calcário
Centro-oeste arenoso
Centro-oeste olissiponense
Centro-oeste cintrano
Centro-leste motanhoso
Centro-leste de campina
Centro-sul miocénico
Centro-sul arrabidense
Centro-sul plistocénico
Sudeste setentrional
Sudeste meridional
Sudoeste setentrional
Sudoeste meridional
Sudoeste montanhoso
Barrocal algarvio
Barlavento
Sotavento
Berlengas

Espécie de interesse florestal

Informação cedida por

Distribuição geral: Esta espécie é originária da Europa e Ásia Ocidental, é espontânea em boa fração da Europa ocidental, com prática exceção nas ilhas Britânicas aonde não é mais que subespontânea.

Caracterização geral: Em Portugal vegeta entre os 600 e os 1500 m de altitude. Alcança na Galiza altitudes de 1300 m. Poderá ainda ser encontrado noutras regiões da Europa em áreas de montanha até aos 1800 m. Nestas regiões, surge associado à faia ou a resinosas tais como o abeto, ou pícea e com mais frequência, sobre os entulhos, em encostas sombreadas, com o Ulmus glabra Hudson e a Tilia platyphyllos Scop. Vegeta igualmente a menores altitudes, nas matas de faia situadas em solos de melhor aptidão, nas exposições Norte e sobre entulhos, com as espécies anteriormente citadas, com o Acer platanoides L. e nos povoamentos mistos de carvalhos e freixos de pequenos vales férteis e húmidos (com solo não inundável contudo). É uma espécie de climas frescos, exigente em precipitações e humidade ambiental. Não suporta atmosferas muito secas. É muito resistente ao frio e às geadas. É uma espécie heliófila mas a instalação via seminal tolera sem prejuízos a sombra do sub-bosque durante vários anos. Tem preferência por solos profundos, frescos, exigindo bastante fertilidade, humidade e permeabilidade edáficas. Entretanto, é tão sensível à secura como ao excesso de humidade no solo. Tolera os solos pedregosos. É indiferente à natureza geológica do substrato, resistindo à presença de rochas de carbonato de cálcio ativo no subsolo. Não tolera os solos de pH muito ácido, abaixo de 4,5 ou solos hidromórficos, mas suporta bem solos eutróficos. A regeneração por semente é muito boa em sob coberto. Inicia a frutificação aos 25-30 anos e fá-lo anualmente em abundância. O rebentamento por cepa é medíocre, com escassa vitalidade. A copa possui uma base formada por ramos maciços, sendo ampla, muito densa, regular e ovalada quando cresce de forma isolada. Apresenta raízes bastante superficiais. O crescimento é rápido até cerca dos 4 anos, decrescendo na idade adulta. A longevidade é de 150-200 anos.

Propriedades e utilizações: A madeira do Bordo é branca, amarelada ou avermelhada, sem alburno distinto, bastante densa (0,5 a 0,7), lustrosa, fácil de trabalhar, ligeira, homogénea e muito resistente às trocas de humidade. É bastante dura e de boa resistência mecânica. Pode considerar-se como de alta qualidade. É uma madeira muito procurada para marcenaria e tornearia, instrumentos de corda e fabrico de objetos diversos. Os troncos cujos diâmetros sejam superiores a 40-50 cm, são aproveitados para folheado. É um bom combustível. É uma espécie com grande interesse como ornamental, dada a sua coloração outonal. Tem igualmente muito interesse na proteção contra incêndios dado que o seu coberto sombrio elimina a vegetação combustível. Resulta muito adequada para a constituição de corta-ventos, nos quais deve usar se preferencialmente consociada com coníferas. Resiste muito bem aos ventos fortes, nomeadamente em costas atlânticas (dado tratar-se de uma espécie natural nos bosques atlânticos).

Faça download desta ficha em PDF

Ficha técnica da espécie
Acer pseudoplatanus

Partilhe esta página

Poderá estar também interessado em

Acer campestreAcer campestre
(mesmo género)

Acer monspessulanumAcer monspessulanum
(mesmo género)

Acer negundoAcer negundo
(mesmo género)

Acer palmatumAcer palmatum
(mesmo género)

Acer platanoidesAcer platanoides
(mesmo género)

Acer saccharinumAcer saccharinum
(mesmo género)

Aceras anthropophorumAceras anthropophorum
(mesmo género)

Utilização das Imagens

Todas as fotografias do Jardim Botânico UTAD são publicadas sob uma licença CC BY-NC 4.0. Pode utiliza-las livremente, para fins não-comerciais, desde que credite o Jardim Botânico e o autor específico da fotografia caso exista. Para uso comercial ou utilização de alguma fotografia sem marca d'água queira entrar em contacto. Pode ver aqui todas as imagens da espécie Acer pseudoplatanus.

Comentários