Pesquisa

Translate Site

Instagram

O JB está agora no Instagram. Siga-nos aqui.

Voltar ao Topo

Marsilea quadrifolia L.

Espécie:
Marsilea quadrifolia
Descritor:
L.
Género:
Família:
Ordem:
Sub-classe:
-
Classe:
Polypodiopsida (Filicopsida)
Sub-divisão:
-
Divisão:
Monilophyta (Pteridophyta)
Tipo Fisionómico:
Helófito
Distribuição Geral:
Desde o S Polonia e SW Ucrania até ao S Europa
Dist. em Portugal:
Mapa não disponível
Nome Comum:
Trevo-de-quatro-folhas
Habitat/Ecologia:
Ripícola
Sinonimias
Não tem
Época Floração:
Junho - Julho
No JB-UTAD:
Sim - D4 D7 D8
Colecção temática:
Não pertence a nenhuma colecção.

Fotografia da Marsilea quadrifolia

Galeria de imagens

Fotografia 1 da espécie Marsilea quadrifolia no Jardim Botânico UTADFotografia 2 da espécie Marsilea quadrifolia no Jardim Botânico UTADFotografia 3 da espécie Marsilea quadrifolia no Jardim Botânico UTADFotografia 4 da espécie Marsilea quadrifolia no Jardim Botânico UTAD

Tem fotografias desta espécie? Submeta as suas.

Acesso por QRCode

[Como vai ver no seu telemóvel]

qrcode


História e Evolução

Dizer adeus não é tarefa fácil, provavelmente pela enorme mistura de sentimentos que isso implica. Um dos piores adeuses é aquele em que está implícita uma forte dose de culpabilidade, especialmente quando nós somos a causa dessa partida. Essas despedidas são dolorosas e muito relutantes. Ver partir um ser querido porque não soubemos conviver com ele é uma dor que vai matando a nossa alma e a vontade de viver, e o Trevo-de-quatro-folhas (Marsilea quadrifolia L., família Marsileaceae) representa essa traumática e dilacerante realidade.

Escolhemos esta fotografia do nosso amigo Paulo Barros não pela sua beleza, mas sim porque representa perfeitamente como fomos transformando os habitats deste feto aquático. No passado esta planta povoava os charcos da Beira Litoral e as margens do rio Douro (e provavelmente do Tejo). Mas muito mudou desde então. O ser humano afastou-se dos ecossistemas e quis transformá-los nos seus escravos, sempre fiéis e calados. A nossa exuberante estupidez levou-nos a guerras perdidas e batalhas intermináveis. Uma delas ainda está a ser muito bem visível nas nossas paisagens agro-florestais. O agricultor tem a enorme responsabilidade de gerir os ecossistemas que o ajudam na sua produção. Nesse sentido os agroecossistemas proporcionam benefícios ao Homem, ensinando-lhe as vantagens que a interação da produção agro-florestal com as funcionalidades desses ecossistemas têm. Em troca nos iniciamos há séculos uma guerra interminável, em que tentamos eliminar os trabalhadores que os ecossistemas nos proporcionam. O Trevo-de-quatro-folhas chegou a criar cobertura vegetal natural nos arrozais da Beira Litoral até à década dos anos oitenta. Esse tapete vegetal era fundamental para controlar pragas e doenças nesses arrozais, ao mesmo tempo que proporcionava uma qualidade genuína e diferencial no arroz recolhido nessas culturas. Mas o agricultor decidiu utilizar herbicidas que mataram este valiosíssimo trabalhador. O tempo foi quem marcou a sentença. Outras plantas bem mais agressivas foram chamadas para lutar contra aquele que era o agressor, e uma guerra surda e suicida foi abrindo feridas incuráveis. Hoje as charcas e culturas higrófilas beirãs são um poço de raiva e desespero, num ecossistema aterrado pela dor e o sofrimento.

O Trevo-de-quatro-folhas ainda tinha o rio Douro (e quiçá o Tejo) como últimos refúgios onde poder encontrar abrigo. Barragens e alterações de caudais e leitos de cheia acabaram por expulsar este feto Pérmico das nossas já muito feridas e doentes paisagens. A foto de hoje representa perfeitamente um grito de desespero no fim da década dos noventa. Os últimos Trevos-de-quatro-folhas estavam ainda a lutar contra as incontornáveis mudanças de vegetação das margens durienses. Por entre Paspalum, Phragmites, Brachypodium e Poa as últimas frondes deste português insigne, mas humilde, procuravam os derradeiros raios de luz, daquela luz clara e radiante que os acariciou ao longo de tantos milhões de anos. Daquela luz que finalmente nós conseguimos apagar!




Faça download desta ficha em PDF


Partilhe esta página

Poderá estar também interessado em:

#
Marsilea batardae

(mesmo género)
#
Marsilea batardae

(mesma família)
#
Pilularia globulifera

(mesma família)
#
Pilularia minuta

(mesma família)

Utilização das Imagens

Todas as fotografias do Jardim Botânico UTAD são publicadas sob uma licença CC BY-NC 4.0. Pode utiliza-las livremente, para fins não-comerciais, desde que credite o Jardim Botânico e o autor específico da fotografia caso exista. Para uso comercial ou utilização de alguma fotografia sem marca d'água queira entrar em contacto.

Utilize os seguintes endereços:

Fotogafias de espécie:
https://jb.utad.pt/imagem/7903
https://jb.utad.pt/imagem/15880
https://jb.utad.pt/imagem/15881
https://jb.utad.pt/imagem/15882

Comentários