Pesquisa

Translate Site

Instagram

O JB está agora no Instagram. Siga-nos aqui.

Voltar ao Topo

Dissertações de Mestrado

De um modo geral, os segundos ciclos universitários europeus incluem uma parte experimental, que deve aplicar os conhecimentos teóricos obtidos ao longo do primeiro período do mestrado. Esta preparação investigadora e aplicada proporciona ao aluno a oportunidade de aceder ao mercado de trabalho, bem através do contacto com empresas da área, bem por meio da sua investigação científica. O Herbário do Jardim Botânico da UTAD, consciente desta necessidade por parte do aluno, encaminha-o neste período experimental da sua formação, de modo a aproximá-lo às demandas sociais e económicas contemporâneas.


Título Caracterização estrutural das comunidades ripícolas do Noroeste de Portugal
Âmbito Dissertação de Mestrado, Mestrado Internacional em Gestão do Desenvolvimento Rural
Autor Alda Paula Esteves Pereira
Ano 2002
Resumo A área de estudo situa-se nas bacias hidrográficas do Noroeste de Portugal, abrangendo os rios Âncora, Lima, Neiva, Cávado, Ave e Leça e todos os seus afluentes, no sentido de estudar o comportamento estrutural da vegetação ligada a estes percursos fluviais (no âmbito do projecto Plano de Bacias Hidrográficas do Noroeste de Portugal). A metodologia proposta compreende, sequencialmente, as seguintes etapas: tipificação das comunidades, levantamentos fitoestruturais, elaboração de matrizes estruturais básicas e de contingência e tratamento estatístico multivariado destes dados. De acordo com este esquema metodológico nos sistemas ripários do Noroeste de Portugal foram diferenciados três tipos contínuos de comunidades ripícolas, uma marginal, outra rupícola e outra aquática, relacionadas entre si de tal forma que qualquer acção em uma delas altera estruturalmente as outras duas. Os resultados obtidos apontam a um comportamento estrutural semelhante para todas as bacias e ao longo das mesmas, atendendo à reduzida variação geomorfológica e climatológica que apresentam. Em relação à tipificação proposta dos tipos de comunidades vegetais para este tipo de ecossistema, verificou-se uma clara diferenciação entre o comportamento estrutural (devido à semelhança ecológica entre ambas). Deste modo, a metodologia fitoestrutural aqui desenvolvida revelou-se de grande utilidade para a descrição do comportamento deste tipo de comunidades vegetais, constituindo igualmente um importante instrumento na elaboração de modelos descritivos estocástico-dinâmicos.
Palavras-chave Vegetação ripícola, flora, estrutura da vegetação, Noroeste de Portugal.

[↑ Voltar ao topo]


Título Caracterização estrutural da vegetação da foz do rio Vouga (Aveiro)
Âmbito Dissertação de Mestrado,
Autor Cláudia Patrícia Oliveira Fernandes
Ano 2001
Resumo A área de estudo situa-se na foz do rio Vouga (concelho de Aveiro), e ocupa uma superfície de cerca de 3000 ha. Nas últimas décadas, parte dos seus solos, de elevada aptidão agrícola, têm estado submetidos a um processo de salinização. No sentido de estabilizar este processo, o Instituto de Hidráulica, Engenharia Rural e Ambiente apresentou o " Projecto de Desenvolvimento Agrícola do Baixo Vouga Lagunar ", cujas principais intervenções abrangem o reforço e construção de sistemas de defesa contra marés, sistemas primários de drenagem e emparcelamento. Estando este projecto sujeito a um Estudo de Impacte Ambiental (EIA), o objectivo deste trabalho é contribuir para um processo de tomada de decisão mais consciente caracterizando a estrutura da vegetação no momento actual e avaliando o impacto das intervenções sobre esta. A metodologia proposta compreende, sequencialmente, as seguintes etapas: tipificação das comunidades; levantamentos fitoestruturais; elaboração de matrizes estruturais básicas e de contingência e tratamento estatístico multivariado dos dados. Os resultados determinaram duas zonas de expressividade estrutural, uma de desenvolvimento terrestre e outra higrófila, intimamente relacionadas de tal forma que qualquer acção sobre uma delas altera estruturalmente a outra. Concluiu-se, por isso, que a execução do projecto causará um empobrecimento geral na estrutura da vegetação com consequências imprevisíveis mas, provavelmente, negativas sobre todo o sistema objecto desta análise.
Palavras-chave Vegetação, estrutura da vegetação, previsão, impacte, Vouga.

[↑ Voltar ao topo]


Título Estudo fitoclimatológico do género Thymus nas regiões de Trás-os-Montes e Beira Alta Duriense
Âmbito Dissertação de Mestrado, Mestrado em Agricultura, Ambiente e Mercados
Autor Maria de Lurdes Marques de Loureiro Silva
Ano 1998
Resumo Este trabalho constitui uma contribuição para a caracterização fitoclimatológica do género Thymus no Nordeste de Portugal, nomeadamente na área compreendida entre as regiões de Trás-os-Montes e Beira Alta Duriense. Para a realização deste estudo foram consideradas, além das espécies do género Thymus, vinte e nove outras espécies com aparente correlação climatológica e distribuição na área de trabalho. Recorreu-se à aplicação de dois tratamentos metodológicos. Seguiu-se inicialmente a metodologia clássica proposta por RIVAS-MARTÍNEZ (1987), e ulteriormente revista por LOIDI et al. (1997), implicando a determinação de pisos bioclimáticos. Numa etapa posterior utilizou-se a metodologia fitoclimatológica baseada no uso de áreas de influência em redor das estações termopluviométricas sugerida por CARBALLEIRA et al. (1985), embora se tenha tornado necessário introduzir-lhe certas adaptações, em virtude da falta de informação pormenorizada sobre a vegetação da área. Da comparação dos resultados obtidos por estes dois tratamentos metodológicos concluiu-se que a utilização do segundo método proporciona uma tipificação mais pormenorizada e um enquadramento mais preciso das espécies estudadas. É proposta uma primeira cartografia fitoclimatológica para a área de trabalho em função da distribuição dos grupos ecológicos.
Palavras-chave Thymus, caracterização fitoclimatológica, pisos bioclimáticos, intervalos termopluviométricos, intervalos altitudinais.

[↑ Voltar ao topo]


Título Invasibilidade ou flora auxiliar. Análise florística do fenómeno de invasibilidade no Norte de Portugal
Âmbito Dissertação de Mestrado, Dissertação de Mestrado em Matemática e Ciências da UTAD
Autor Raul Miguel Salgado Freitas
Resumo Realização de um método multivariado que relacione a flora invasora com variáveis socio-económicas, de modo a determinar o efeito das potenciais alterações ambientais no acesso da flora exótica. A hipótese de trabalho será sustentada na ideia de que a invasibilidade é um fenómeno directamente relacionado com a alteração dos ecossistemas, sendo assim um instrumento decisivo para a resistência às alterações ambientais produzidas nos mesmos.
Palavras-chave Flora auxiliar, invasibilidade, Norte de Portugal.

[↑ Voltar ao topo]